Sedução

”Cracks”

Sedução (Titulo em português)

A capa do filme mostra o rosto de uma mulher e ao fundo, desfocado, mulheres com roupas de banho, nada que chame atenção. A fotografia da filmagem é muito bonita e diálogos intrigantes.

A história se passa nos anos 30, Inglaterra, colégio interno, próprio para mulheres e um grupo de meninas idolatram sua instrutora de natação Miss G. (Eva Green), romântica, contadora de histórias, símbolo de uma mulher que está à frente do seu tempo, enchendo os olhos das garotas de sonhos e projetos.

Tudo muda quando Fiamma (Maria Valverde), a nova aluna que veio da Espanha para estudar nesse colégio e complica a vida de Di (Juno temple), uma aluna que às vezes demonstra uma imensa paixão pela Miss G. ou uma profunda admiração, pela carência devido à ausência dos pais e estar longe de casa e Di e suas colegas de quarto se preocupam com a imensa atenção que Fiamma recebe da professora que a trata muito bem e deseja mais aproximação pela jovem.

A pratica do bullying gira em torno de Di, dominada pelo ciúme e pela inveja, forçando a novata a sair do colégio ou atravez de ameaças… Depois tentam entrar em um acordo para que possam começar uma amizade entre elas a ponto de fazerem uma festa do pijama, até que depois de tanto beber Fiamma desmaia e é socorrida pela professora que a leva para seu dormitório e aproveita a situação para molestar a garota enquanto estava inconsciente e Di observa a cena escondida.

 Na manhã seguinte Fiamma fica constrangida, pertubada depois que se viu abusada sexualmente e disse que sempre odiou sua professora e que iria relatar o abuso, e miss G usa suas alunas de natação contra Fiamma, até que Di decide partir para a agressão física (…) mas depois do pior, todas descobrem o verdadeiro acontecimento e a admiração, as histórias e afeto são perdidos dando um espaço para mais um novo vazio na vida de moças sem pessoas que elas poderiam contar com a proteção, a pedofilia feminina versus a loucura e a escola que pede silencio para não estragar a imagem que ela precisava passar.

E citando em pedofilia feminina, observei que o filme focou em algo interessante, mostrando o outro lado, quebrando o vicio de padres pedófilos que viram personagens de filmes de drama. Alguns artigos, pesquisas, etc. afirmam que a pedofilia feminina é maior que a maculina. Ao mesmo tempo é calado devido um entendimento que não é agressor pois, pelo fato de não ter um orgão peniano não criará um choque físico e psicológico tão forte numa criança.

post. por Mayra Caroline

Esse post foi publicado em Uncategorized, Visual Culture e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s