Jenny Saville – A obsessão pela estética do corpo abjeto

Reverse, oil on canvas, 2003.

Pintora inglesa nascida em Cambridge, Jenny  Saville graduou-se na Glasgow School of Art no ano de 1992 e foi bolsista durante seis meses pela University of Cincinnati; estudou durante os anos de 1992/1993 na Slade School of Art, onde leciona pintura figurativa e, finalmente, integra o grupo Young British Artists, sendo constantemente comparada a Lucian Freud e a Rubens.  

Suas telas de tamanho monumental retratam basicamente o universo dos corpos femininos em estado de abjeção, mutilados por cirurgias plásticas ou reparadoras, deformações corporais devido a lesões oriundas de doenças variadas, assim como por questões de excesso de peso e transmutações de sexo. Seu material de pesquisa inclui fotos de diversas cirurgias, assim como fotos das personagens que emprestam seus corpos para compor a pintura de Saville como algo intrinsecamente visceral.

Passage, oil on canvas, 2004.

Jenny Saville aspirava encontrar corpos com uma certa “fisicalidade”menos contida e isso ocorreu enquanto estudava em Cincinnati. Esse foi o grande marco de sua carreira. A pintora relata o defronte com mulheres hiper-obesas de forma exuberantemente obscena: gorduras saltavam aos olhos de quem as via, provocando o impacto da nudez excêntrica.

Depois de concluir a pós-graduação na Slade Shool of Art, Saville conhece um dos mais influentes colecionadores de arte do momento, Charles Saatchi. Esse encontro lhe rendeu dois anos de mecenato, iniciando-se assim sua pesquisa, coletando dados sobre corpos em estado de transmutação. Saville acompanhou cirurgias plásticas e reparadoras, entrevistou médicos cirurgiões, estudou anatomia cara a cara com os corpos humanos, tudo isso em prol de captar a arte do ofício de redesenhar os corpos in natura.

Através da espátula e do pincel, Jenny disseca suas personagens, atribuindo-lhes como tema o próprio realismo de suas condições de vítimas, deformadas, transformadas, corrigidas plasticamente, tendo como resultado uma série de retratos transexuais, elevando-os a uma posição que, devido a uma busca de identidade, acaba por gerar um terceiro estranho gênero ou a ausência de definição.

oil on canvas.

Mariana Carvalho.

Referências:

gemagema.tv/blogs/leitemattinal/?p=62

ilhas.blogspot.com/2008/12/jennysaville.html

Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s