Deixe Ela Entrar (Låt Den Rätte Komma In) – de Tomas Alfredson, Suécia, 2008

Baseado em livro homônimo do sueco John Ajvide Lindqvist, Deixe Ela Entrar poderia ter despertado o interesse de uma grande leva de espectadores que têm lotado as salas de cinema nos últimos cinco anos, caso fosse erroneamente catalogado como parte do nicho mais em voga dos filmes de terror atualmente: aqueles que tratam de vampiros e todo o imaginário que os envolve.

Apesar de ter sido lançado em meio a uma onda de filmes sobre vampiros, existem alguns fatores que imediatamente distanciam este trabalho da abordagem usual, e o primeiro deles já se coloca na impossibilidade de restringi-lo ao chamado filme de gênero, já que não se pode afirmar que estamos diante de uma produção de terror, ainda que muitos recursos provenientes desse tipo de narrativa sejam utilizados; tampouco que o foco central da história criada por Lindqvist a partir de seu próprio livro seja o tema dos vampiros, apresentado dentro da obra como uma metáfora para a marginalização daqueles que não se encaixam nas normas sociais e, portanto, acabam se distanciando gradativamente das relações humanas –permeadas sempre por códigos muito rígidos- em direção a uma perda da própria humanidade. Aqui a imortalidade dos vampiros aliada à incapacidade do convívio social se manifesta como uma morte imposta pela própria sociedade. Ou seja, no filme de Tomas Alfredson, como no livro de Lindqvist, o interesse narrativo está em explorar as relações humanas, as forças externas que as regulam e os sentimentos que se originam a partir de uma incompatibilidade com a norma. Utilizando-se do tema dos vampiros como ferramenta, o que Lindqvist faz é criar uma reflexão profunda sobre a solidão, o passar do tempo e a fugacidade das coisas que nos envolvem (a personagem Eli atravessa séculos e presencia o envelhecimento e a morte de todos que estão perto dela).

A respeito da questão da sexualidade, ela existe no filme primeiramente como elemento de tensão entre os personagens. Oskar é um adolescente tímido que vive com a mãe em um complexo residencial nos arredores de Estocolmo. Alfredson se preocupa em apresentar toda a densidade psicológica e as peculiaridades da personalidade de Oskar através de seu convívio social. O adolescente freqüenta uma escola onde não é aceito pelos colegas. Sua aparência frágil, de traços e trejeitos femininos e seu comportamento introspectivo são alvo de hostilização num microcosmo social em que já se denota uma série de exigências comportamentais. Oskar sofre calado uma violência psicológica que vai se transformando em violência física, até que conhece a personagem Eli, uma garota igualmente retraída que acaba de se mudar para o mesmo prédio, em quem encontra identificação e por quem começa a sentir-se atraído. A partir daí, o filme concentra-se em discussões a respeito das transformações da puberdade, das relações de poder dentro das camadas sociais e principalmente da sensação de inadequação dos personagens ao meio em que vivem, ao mesmo tempo em que encontram um no outro uma espécie de refúgio. Oskar vê em Eli uma possibilidade de aceitação, mas é aí que se inicia o conflito central: Eli não é nem menina, nem menino, e por isso sente a necessidade de romper um desenvolvimento afetivo que começa a transparecer nuances sexuais em sua relação com Oskar, impor um afastamento físico a fim de preservar seu relacionamento e continuar sendo aceita. À medida em que os laços entre Eli e Oskar se intensificam, fica clara a inevitabilidade de uma escolha por parte de Oskar: ajustar-se a uma sociedade repleta de normas, ou iniciar com Eli um caminho rumo à marginalização.

No filme de Tomas Alfredson, a sexualidade do menino Oskar é apontada sutilmente, abrindo caminho para a ambigüidade: ele parece não se importar quando Eli revela que não é uma menina, e demonstra querer um relacionamento amoroso, porém, a manifestação de seus desejos sexuais não chega a acontecer de forma definida; é como se Alfredson houvesse optado por apenas apontar possibilidades a respeito de uma sexualidade que ainda está se desenhando, e deixá-las em aberto. De certa forma, o mesmo acontece com a construção psicológica da personagem Eli, mas de forma ainda mais obscura: ela é na verdade um homem castrado na infância e em determinada cena, revela para Oskar sua face verdadeira. No desenrolar da narrativa, nunca temos certeza das intenções de Eli; não há manifestações de desejo sexual por parte dela, ainda que estejam evidentes suas necessidades afetivas.

O roteiro de Lindqvist lança mais questões do que as responde, mas toda a gama de subjetividades que permeiam os personagens culminam num mesmo ponto de interesse, em uma visão pessimista do mundo em que vivemos e seus arranjos: a rejeição social, com suas normas extremas e intransigentes lança alguns indivíduos à perenidade da solidão.

Léo Tavares

Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Deixe Ela Entrar (Låt Den Rätte Komma In) – de Tomas Alfredson, Suécia, 2008

  1. Tauana Macedo disse:

    Bacana seu texto Léo! fiquei com vontade de ver o filme, ele já saiu?
    onde podemos encontrar-lo?
    abraço

  2. Léo disse:

    Oi Tauana. É um filme relativamente difícil de encontrar, por ser do circuito mais independente e ainda por cima, sueco. Mas acho que se tiver em algum lugar em Brasília, é na Oscarito da 407 N ou na Cult, 107 N. Nessas locadoras é possível que você encontre. Outra opção é baixar por torrent. Eu baixei do site makingoff.org. A qualidade é boa e as legendas foram bem feitas também.
    Abs.
    :O)

  3. Gabriela disse:

    Tentem baixar via torrent e procurar legendas em inglês. Fica beeeem mais fácil!
    Esse filme é demais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s